Delírio da praia na infância

WP_20140711_05820140711124121

Eu espero os barquinhos na janela

Que começam miudinhos e vão se engrandando

As meninas que correm descalças na areia

Uma flecha de sol colorida desbotar o horizonte

 

É uma origem de vida assim, de olhar as montanhas

Como se fossem gente,

e de pensar o mar

Como se estivesse distante

 

A vida passou lá no alto e a janela não abriu

Um grande senhor longe explicou: é assim, minha filha

Eu entristeci um pouquinho

E tornei a entrar, descuidada do oceano

 

O peso daquele primeiro de janeiro

Nos ombros e nas apostas se fez enorme

Quantos dias faltam para o Natal

Pensei em perguntar e adormeci, anestesiada

Anúncios
Delírio da praia na infância

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s