Catching Fire (Em chamas – Jogos Vorazes)

Há algumas semanas, li o primeiro volume da trilogia Jogos Vorazes. E gostei muito mais do que eu pensei que iria, sendo o livro classificado como “infanto-juvenil”. Gostei  tanto que a primeira coisa que fiz foi passar pra frente para uma amiga ler, e ela também gostou. Daí, indiquei para outra amiga, que é da … Continue lendo Catching Fire (Em chamas – Jogos Vorazes)

Metas para leitura

Inspirada pelos milhares de vlogs de leitores que achei no youtube, decidi brincar de estabelecer metas para minhas leituras. A proposta não é tornar o hábito uma coisa burocrática, e sim ficar bem feliz quando conseguir cumpri-las. Mínimo de 3 livros por semana – não vou ler do começo ao fim os três livros na … Continue lendo Metas para leitura

Ninguém lê mais, ninguém escreve mais

Nunca fui tão RaDicAL na minha adolescência, mas já escrevi muito “naum” em vez de “não”. Isso NAUM me impediu de escrever direitinho na vida. Uma professora da minha pós contou a experiência de uma colega dela, que há 20 anos corrige redações de vestibular. Essa colega falou que, comparando as redações desse tempo todo, … Continue lendo Ninguém lê mais, ninguém escreve mais

One day (um dia)

Dos livros que li em 2011, lembro, quase exclusivamente, apenas do que considerei o mais marcante: One Day (Um dia) do David Nicholls. A leitura aconteceu antes de eu virar a louca do ebook na Amazon. Na época, baixei o livro pirata. Uma coisa engraçada no ebook pirata é que ele tinha um erro que … Continue lendo One day (um dia)

Ônibus em BH

Hoje fui num (na metade de um, na verdade) workshop sobre mobilidade urbana em que a BHtrans fez uma apresentação. Nela, foi apresentado um resumão sobre os planejamentos  de BH para a copa de 2014 e algumas projeções para até 2030. Fiquei empolgada com o assunto e fui ver o que estava disponível online sobre … Continue lendo Ônibus em BH

É só uma música

Eu fui uma adolescente “alta fidelidade”. Hoje, não consigo imaginar o que eu fazia para saber tanto sobre música naquela época em que a internet engatinhava. Não vou dizer que eu ia muito longe, acho que não existia o termo indie na época, mas, com certeza, eu não era isso. Eu sabia tudo sobre tudo … Continue lendo É só uma música

Cat Power (só pra constar)

Tem aquelas horas que só uma Cat Power salva¹. Em 2010 eu assisti um show da Cat Power. Foi estranho, principalmente porque eu estava numa dessas horas, mas ela me salvou ao contrário. E, em vez de sair da fossa, eu fui lá pro fundo do poço. Ainda estou me recuperando daquele poço, de 2010. … Continue lendo Cat Power (só pra constar)